Ir para o conteúdo

Como manter a sanidade no período de festas

Quem nunca teve momentos de ansiedade, irritação e turbulências mentais com a correria do final de ano e das festas de Natal e Ano Novo que jogue a a primeira árvore de Natal! O cenário é conhecido: assim como o ano, você sente-se minguando (energeticamente). Sua lista de presentes a serem comprados é longa e a fila para encontrar uma vaga no estacionamento do shopping maior ainda. O trânsito parece mais caótico, a pressa cotidiana geral está elevada ao cubo, a idéia de ter de encontrar colegas de trabalho e familiares nem tão queridos para confraternizações gera tormento. Todo o seu décimo terceiro ou bônus já está comprometido com presentes, dívidas do cartão ou cheque especial. O cenário de mesas fartas e você tentando perder peso incita sua agitação… E por aí vai… Bem, antes de ter um ataque de nervos, tire alguns minutos para ler essas dicas valiosas de como evitar o caos mental e geral no final do ano!

santa-meditating
ohhhhhhhh

1)      Respire! Sim, respire com consciência, com presença. Na filosofia da Yoga dizemos que a respiração é o rei da mente, ou seja, capaz de controlar e modificar o que está se passando dentro dela. Sempre que estamos agitados, a respiração é curta e rápida. Já quando estamos relaxados, o oposto ocorre, respiramos profundamente e tranquilamente. Para se ter uma mente ativa e tranquila respire produndamente por alguns instantes e tenha a intenção de manter essa qualidade de respiração ao longo do dia. Por exemplo, você pode decidir respirar profundamente de 5 a 10 vezes (com atenção plena na inspiração e expiração e mandando o ar lá pra barriga) toda vez que for iniciar uma ação, como dirigir para o trabalho, antes de falar com seu chefe, ou ao chegar em casa no final do dia. Isso já será de grande valia para te deixar presente no momento e isso sempre traz paz, pois os pensamentos em excesso sobre o futuro ou o passado são o que realmente tiram nossa tranquilidade. Para os corajosos, indico duas meditações diárias de atenção plena na respiração com duração mínima de 5 minutos. Tente e me conte os resultados!

2)      Escute sua sabedoria interna. Quando conseguimos criar pausas conscientes durante o dia para respirar profundamente e conectar com o espaço mais calmo e silencioso que existe sempre dentro de nós, passamos a escutar mais nossa sabedoria nata! Isso significa que você vai sentir os sinais que suas emoções e sensações te oferecem. Ou vai escutar o que sua intuição sussurra no seu ouvido e que desta vez você está sensitivo o bastante pra escutar. Isso pode fazer com que você desista de ir a um happy hour de final de ano porque tem uma reunião muito importante no dia seguinte. Ou fazer com que você não tome todas na festa da família e se arrependa depois de ter dançado o quadradinho de oito usando saia. Ou ainda com que você não ligue para aquela amiga que somente reclama da vida e sempre te faz sentir-se esgotada (o) ao final da conversa. Escolhas que potencializam seu bem estar estão sempre na moda! Escute seu Eu Maior e seja fashion!

3)      Coloque-se no lugar do outro antes de reagir ou agir. Escutando mais seu Eu interior, será mais fácil compreender o outro, ter empatia, parar para analisar as situações que surgem. Por exemplo? Antes de xingar os quatro ventos pelo trânsito, lembre-se de que você está dentro do carro dirigindo pra algum lugar, ou seja, você é o trânsito! Está contribuindo para ele, logo, tenha paciência com os colegas de direção. Este exercício é desafiador, mais muito gratificante, pois faz com que muitas das turbulências mentais se desintegrem, já que nos damos conta que o outro tem seus motivos (os quais muitas vezes não saberemos), assim como você, e que estamos todos na mesma jornada: buscando paz e felicidade. Pergunte-se: “Como posso ajudar o outro ou essa situação para que tudo se resolva da melhor forma possível para todos os envolvidos?” ou “O que eu não estou conseguindo ver nesta situação sobre a outra pessoa envolvida?”. Pode ser que, algumas vezes, a resposta seja até mesmo calar-se e não fazer nada. Não fazer ou dizer nada é uma resposta sim e pode ser muito útil!

4)      Acolha o momento e fique. Ficar significa não tentar se distrair ou fugir das adversidades. Essa técnica faz parte da meditação também, pois temos de “treinar” a mente a ficar e estar no estado meditativo, mesmo que ela faça de tudo para nos tirar dele. No caso do final de ano, acolha os momentos de cansaço, raiva, nervosismo. Sinta-os, investigue-os como uma cientista e perceba que logo logo eles passam. Caso tenha um impulso doido de comprar 3 vestidos ditos “em promoção”, fique com esse desejo por cerca de 20 minutos, dê uma volta ou tome uma água e depois revisite seu desejo antes de sair comprando todos. Se der vontade de xingar a sua tia que lembrou pela milésima vez alguma situação da sua infância que ela acha cômica e você acha humilhante, acolhe sua raiva, sinta ela e, no momento em que ela passar por completo (pode levar uns bons minutos) ou você desencana do que foi dito ou fala carinhosamente com sua tia que esse comentário dela te faz sentir-se… (complete aqui a sensação) e que você gostaria que ela não mais o fizesse. Numa boa. Numa nice. Mas antes acolhe, observe, deixe fluir… Emoções e pensamentos vem e vão!

5)      Ame-se, perdoe-se e ria de si mesmo. Comeu muito mais do que devia: tudo bem, ame-se. Ficou chateado porque a sua amiga especial não foi na sua festa. Ame-se. Sentiu-se um lixo porque tirou sarro da sua prima que deu um presente de amigo secreto totalmente sem noção: perdoe-se e ria da sua própria falta de noção. Estamos aqui pra aprender e momentos de grandes reuniões sociais e explosão de emoções são grandes professores de aspectos nossos que ainda temos de trabalhar. Só que a culpa, a vergonha, a auto-violência mental não ajudam em nada e ainda nos impedem de crescer, pois nos paralizam. O espírito de amor e fraternidade que essa época invoca tem de começar com o auto-amor e a auto-fraternidade. Muitas vezes ser amoroso significa ser amoroso com você mesmo, pois se você não está bem será impossível ser compassivo, amoroso ou fraterno com outro. Perdoe-se e ame-se, dê risada de seus erros e foras. Ache graça nas suas imperfeições! Traga leveza para os momentos de caos! Grite, dance (especialmente no meio da rua, na fila do caixa, etc), flua com a vida, flua com o final de ano, deixe ser e deixe ir! E sempre escute sua inteligência interior, escolha com o coração e não com os impulsos ou as obrigações sociais. Encontre o espaço silencioso em meio ao caos e tenha um final de ano maravilhoso! Beijo no coração e Namastê!

Esse post vai ajudar alguém? Compartilhe!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone

Comentários